EVA/EVA, THE BOOK…

Eva,
ou os lugares de Margarida Botelho

“Jogo do Encontro
Precisas de um amigo para este jogo
Tu serás esta Eva e ficaras sentado deste lado;
o teu amigo será a outra Eva.”

Eva é uma menina que são duas. Brincam, vão à escola, comem e ouvem histórias… estão separadas apenas pelo lugar onde nasceram e vivem. Este aparente pormenor fará toda a diferença: a mesma menina que tem 6 -7 anos vê da janela o plátano na rua onde não pode ir brincar ou sobre à árvore mais alta da terra para ir buscar mangas sumarentas; abre a torneira quando quer água ou tem de ir longe, com um balde, buscá-la ao poço. Nenhuma das situações é pior ou melhor que a outra, apenas é.
Este livro mostra, inteligentemente, sem julgar e sem os paternalismos que muitas vezes escorregam de outras propostas com esta temática. A questão das diferenças sócio-culturais, neste caso entre o mundo ocidental e o africano protagonizado por cada uma das “Evas”, é aqui documentada através de experiências infantis, universais, apresentadas em analogia. Por isso, riscaremos a palavra diferenças que usámos anteriormente, substituindo-a por diversidade ou por pluralidade, pois é de celebração – quente como os tons predominantes nas ilustrações – a atmosfera desta obra.
Será, pois, inevitável o encontro das meninas: o espelho de mim no outro, a curiosidade. E é o centro físico do livro que o proporciona. As páginas que corriam em trajectos únicos, sequências de momentos da vida de cada uma das Evas – é o leitor que perceberá as coincidências e estabelecerá os contrastes, pois leu as duas histórias em separado – desaguam uma na outra: desdobrando-se, as páginas centrais crescem duplamente e escondido revela-se o tabuleiro ( africano ) de um jogo com regras semelhantes ao nosso tão conhecido Jogo da Glória.
Nessa altura, os tempos misturam-se, e misturam-se também a ficção e a realidade em plano único: o leitor é convidado a ser Eva e a encontrar, num outro menino, outra Eva para brincar “aos encontros”. Percebemos então que se multiplicou a frase de começo e Eva é uma menina que podem ser três, quatro, cem, mil… ou, nós próprios. Percebemos que este é um pretexto para ver outras vidas e para acrescentar a nossa nesse contra-ponto, para gerar a discussão, para implicar. Por isso é muito fácil imaginá-lo dentro de uma sala de aula, por exemplo, como começo de muitas conversas. E há muitas formas de o fazer acontecer, tanto do ponto de vista do conteúdo como do objecto em si, neste livro que nasceu para ser manuseado.
Conhecendo o percurso desta criadora, mesmo que só através dos seus trabalhos editados em livro, percebemos que este é só mais um passo no sentido do apuramento dos temas – o outro, a troca, a identidade – e das linguagens que a singularizam. Como assinatura própria, a tridimensionalidade e uma espécie de hiper-realismo sublinhado pelas técnicas fotográficas com que produz as suas ilustrações. Os seus motivos são criações plásticas que arquitecta, universos em volume feitos de materiais quotidianos, reciclados, mais ou menos intervencionados. A manufacturação que assume e uma certa rudeza que deixa exposta avivam os sentidos. Tudo é depois finalizado pela expressividade intensa dos – muitos – rostos ( nascidos de fotografias reais ) em tamanho grande: olham-nos em profundidade e, obviamente, de frente. A sugestão total de tudo isto combinado é fílmica.
Assim, também pela via plástica, o que este livro propõe ao leitor é um mergulho assumido na experiência de ser lido e observado. Percebemos já que, em consonância com o resto, isso significa alteridade o que quer dizer ser eu, sendo também o outro: Margarida Botelho oferece uma possibilidade imediata e feliz para esse encontro.

Ps. Por tudo o que foi referido, que este livro tenha sido o resultado de uma experiência de vida real da autora portuguesa num pais africano, não é puramente acidental. Se olharmos bem, talvez a possamos espreitar, sorrindo, nalgumas das páginas de Eva.

Dora Batalim Sotto-Mayor

Título: Eva
Texto e ilustrações: Margarida Botelho
Fotografia: Mário Rainha Campos
36 páginas, 297 x 210mm
ISBN: 978-989-95209-4-3
1.ª Impressão: Março 2011
Livro distribuído em Portugal pela Prodidáctico
(direitos de autor vendidos para o Brasil)