Fotografar para criar… ENCONTROS!

Janeiro 19th, 2018

Nas residências do projeto ENCONTROS, a câmara fotográfica é também um intermediário do Encontro com a comunidade, com a paisagem, com a fauna e a flora do lugar. Mário Rainha Campos recolhe uma biblioteca de imagens preciosa que depois irá ser usada e recriada na criação das ilustrações da coleção de livros POKA POKANI. Em chão das caldeiras na ilha do FOGO, o estímulo visual era constante pois tudo dialogava dicotomicamente com o negro da lava recente, como é o exemplo das folhas viçosas das vinhas de lava.

Na ilha do FOGO

Janeiro 9th, 2018

Há um mês atrás estávamos numa ilha, a acordar todos os dias ao lado de um vulcão, mais precisamente na sua cratera. O projeto ENCONTROS acontecia numa escola improvisada que era para não existir. A comunidade de Chã das Caldeiras da ilha do Fogo depois da última erupção reclamou a existência de uma escola como quem exige um serviço de primeira necessidade. Como o espaço da garagem transformada em sala de aula era extremamente pequeno e com pouca luz, quando chegou a altura de pintar os diários de vida, as crianças correram para o muro do campo da bola. No muro de lava todos se surpreenderam com o poder de um pincel e da cor em forma de tinta. Foram momentos deliciosamente caóticos e felizes! Sábi, sábi Dja Fogo!

Numa ilha remota…

Dezembro 1st, 2017

Numa ilha remota do oceano Atlântico, o projeto ENCONTROS chega à última escola na ponta da ilha. A emigração levou as crianças para os Estados Unidos e hoje a escola de Fajã da Água tem apenas 6 alunos. Foi com eles que desenhámos os barcos e peixes dos pais/pescadores. Talvez tenha sido o último ano da escola do Paraíso. Brava. Cabo Verde.


FOLIO 2017

Outubro 21st, 2017

Chegou a altura do ano de Foliar com amigos, livros, ilustrações, histórias, encontros, exposições e muitos mais… O lugar é Óbidos e gostamos muito de participar no II Mercado Ilustrado.

NHA MININU – Guiné-Bissau

Setembro 10th, 2017

Este mês viajámos até à Guiné-Bissau sem atravessar mares e terras. Entrámos país adentro através das recolhas musicais d´A CARAVANA, coletivo de músicos e artistas que se propôs fazer um disco com músicas tradicionais infantis da Guiné-Bissau. Foi um imenso prazer fazer as ilustrações para este objeto, acreditando que será o primeiro de muitos outros com recolhas de países lusófonos.

O projeto NHA MININU visou a recolha de canções tradicionais infantis nas várias regiões da Guiné-Bissau, e a produção de um disco que pudesse ser simultaneamente um arquivo simbólico desta música e um objecto lúdico capaz de cativar crianças e adultos de todo o mundo.
Tendo como objectivo último que o povo guineense se reveja e identifique com a edição, na esperança de contribuir para a divulgação e dignificação da sua cultura musical em toda a sua variedade e riqueza, em particular a do universo infantil. Todas as músicas assim como as fichas pedagógicas podem ser descarregas no site do projeto: https://acaravana.pt/nhamininu/home/pt/
O CD Nha Mininu – Música Tradicional Infantil da Guiné-Bissau integra o projecto Cultura i nô balur – Uma Estratégia de Educação para a Cultura na Guiné-Bissau, implementado pela FEC – Fundação Fé e Cooperação, ENGIM – Ente Nazionale Giuseppini del Murialdo, Universidade Católica da Guiné-Bissau, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, Afectos com Letras e Associação de Escritores da Guiné-Bissau, financiado pela União Europeia, pela Misereor e pelo Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, I.P.

3º ENCONTRO DA LUSOFONIA

Maro 16th, 2017

Nuta prendi djunto!
Já passou um ano desde a nossa viagem a Cabo Verde, passou a voar este tempo de saudade que nos separa daquelas ilhas crioulas. Pela primeira vez fomos três a fazer o projeto ENCONTROS. Éramos uma nova família que descobria tantas outras novas histórias de vida. A partir dos diários gráficos que as crianças de Trás di Munti iam criando ao longo dos dias, íamos conhecendo melhor aquela pequena aldeia de mulheres-oleiras. Tivemos um grande parceiro neste projeto que foi o CAO – Centro de Artes e Ofícios, disponibilizando todos os seus recursos para que o encontro pudesse acontecer da melhor maneira na escola pública com a comunidade escolar. É com o cheiro a barro e as cores vibrantes que as crianças escolheram para pintar as suas vidas, que amanhã, dia 17 de Março, terei o prazer de partilhar algumas das suas histórias no 3º Encontro da Lusofonia, na mesa: Os caminhos da literacia visual.

Feirar no Fólio

Outubro 1st, 2016

No primeiro dia de outubro estivemos a feirar. Não levámos maçãs, couves ou hortelã para vender. Levámos a nossa mais preciosa mercadoria: livros ilustrados com histórias dentro, vividas na primeira pessoa em várias partes do mundo. Estivemos num largo de pedras antigas com sinos de igreja, em ambiente de folia na companhia de dezenas de ilustres ilustradores. O MERCADO ILUSTRADO foi uma festa de encontros, conversas, histórias, marionetas, cantos revolucionários e poesia. Para perpetuar esta Utopia existe uma exposição PIM – II MOSTRA DE ILUSTRAÇÃO PARA IMAGINAR O MUNDO na galeria Nova Ógiva. Tudo isto criativamente orquestrado pela dupla incansável Mafalda Milhões e Pedro Maia no FOLIO_ Festival Internacional de Literatura
de Óbidos
.

POKA POKANI no Jardim de Belém

Setembro 1st, 2016

Dia 1 de setembro foi dia de contar histórias Poka Pokani no jardim do Presidente, mais concretamente no jardim de Belém que é de todos e que está ao cuidado do sr. Presidente da República.
A festa do Livro nos jardins do Palácio de Belém foi organizada pelas Bibliotecas Municipais de Lisboa, e nós também lá estivemos para os Contos ao Luar, partilhando a lua com o amigo Diogo de Calle e a prima Fernanda Botelho.

Sol da Caparica

Julho 14th, 2016

Hoje, como diz a canção “Fomos para o sol da Caparica”! Para além da melhor costa de praias, a Caparica é desde há três anos um palco para muitas músicas em língua portuguesa num festival com o título da canção. Este ano pela primeira vez, as Bibliotecas de Almada estiveram presentes com uma programação em parceria com a UCCLA – União das cidades capitais de língua portuguesa. O nome sugestivo da programação foi “Debaixo da língua” e nós estivemos por lá a contar histórias do projeto POKA POKANI.
SolDaCaparica5_net
SolDaCaparica8_net

Coming back from Cape Vert…

Maro 1st, 2016

Chegámos a Portugal com os olhos cheios das cores vibrantes com que as crianças pintaram a sua vida, com a boca ainda com o sabor da cachupa na frigideira, com as mãos cheias de barro, com os ouvidos embebidos em crioulo, com o nariz habitado pelo cheiro do milho verde e claro, com o coração cheio de histórias. Ainda temos um longo caminho de reflexão e criação até o próximo livro estar pronto, mas uma coisa é certa, será um objeto para ler com o corpo todo, como acontece sempre numa viagem!