BIO

Margarida se fosse um animal seria de certeza marinho, para poder estar sempre em movimento, mas como nasceu com duas pernas e duas mãos movimenta-se pela terra em passo acelerado, de mãos livres, quase sempre com uma mochila onde guarda a sua casa. Acredita que há histórias a nascer por cada respiração que é dada ao mundo. Dai a urgência! Gosta de as descobrir com as mãos ligadas ao coração. Às vezes são palavras que se transformam em imagens e vice-versa, outra vezes não… Quando caminha experimenta o tempo, aquele que só acontece quando estamos juntos. Algumas destas experiências tornam-se visíveis através de livros… outras não. Gostaria de guardar nos olhos, o brilho intenso de cada descoberta, para quando fosse velhinha, pudesse iluminar quem sabe… outros caminhos!

Licenciada em Arquitectura e Mestre em Design e Sequential Illustration, desde 2005 que publica livros para a infância onde constrói as palavras e as imagens dessas casas/livros. Como gosta de experiências inesperadas e de perguntas, acredita no compromisso entre arte, educação e mundo social. Desenvolve experiências educativas com várias comunidades em vários contextos; cria e realiza projetos artístico-educativos em bibliotecas, escolas, centros culturais e sociais, museus, largos e praças públicas em Portugal, Brasil, Moçambique e outros países. Se tivesse que nomear o faz diariamente, diria: arte-educadora. Recentemente esteve a trabalhar com a Unesco em projetos de intervenção comunitária através da arte desenvolvendo uma nova coleção de livros que se chama Poka Pokani em Moçambique, no Brasil, na Indonésia e na Índia. No seu último projecto Encontros, em Agosto de 2012 na Amazónia brasileira fez equipa com Mário Rainha Campos. Ambos viveram numa aldeia indígena da etnia Kayapó onde aprenderam como se desenha um crocodilo e como se dança na noites de lua cheia com as araras.